LESAO NA CARTILAGEM DO JOELHO
A cartilagem articular do joelho é composta por fibras de cartilagem hialina e por células, chamadas condrócitos. Os condrócitos são as células que formam a cartilagem do joelho.

A lesão na cartilagem articular, pode acontecer por trauma direto, relativo a esportes, quedas ou micro traumas de repetição, fazendo que aconteça o desgaste da cartilagem lenta e progressivamente.
As lesões podem ser superficiais ou podem ser mais profundas chegando até o osso sub-condral.

Como a cartilagem articular é muito pouco ou quase nada irrigada, ela se nutre através de embemissão pelo líquido sinovial, ela tem uma dificuldade muito grande em cicatrização. Esse é o maior problema que encontramos quando pensamos em tratar uma lesão na cartilagem, como ela tem uma difícil cicatrização a regeneração dela é muito difícil.

As lesões grandes na cartilagem acometem entre 5 e 10 % dos pacientes com menos de 40 anos e 60 % acima desta idade.

Dependendo do tamanho e da profundidade da lesão, temos algumas indicações cirúrgicas, as lesão até 1cm² em geral fazemos micro perfurações acima de 2cm² temos várias opções de tratamento, entre elas temos a mosaicoplastia que são enxertos de cartilagem autólogos, retirados do próprio paciente, ou podemos fazer em alguns casos de lesões maiores enxertos de cartilagem como cultura de condrócito, ou seja, é retirado um pedaço da cartilagem produzido e multiplicado em laboratório e as células chamadas de condrócitos que são os formadores de cartilagem são novamente inseridos no local da lesão para se transformem em cartilagem hialina.
Todos estes procedimentos são cirúrgicos e dependem diretamente da profundidade e extensão da lesão. Esses tipos de tratamentos da cartilagem não servem para caso de artrose (desgaste total da cartilagem), apenas para lesões focais ou localizadas.

Existem também os condroprotetores, que tem a função de retardar ou diminuir a velocidade de desgaste da cartilagem articular, porém não existem estudos científicos comprovando que eles são formadores de tecido cartilaginoso.


TRATAMENTO CIRURGICO DAS LESÕES DE CARTILAGEM.
MÉTODOS DE REGENERAÇÃO, REPARAÇÃO OU SUBSTITUIÇÃO DA CARTILAGEM DANIFICADA.

- DESBRIDAMENTO / ARTROSCOPIA E MICROFRATURA
Através da Artroscopia o cirurgião localiza a lesão osteocondral, promove a correção das bordas e retira fragmentos soltos. Para lesões menores que são de 1 cm², é realizada a “raspagem” manual ou com aparelho de shaver, e em seguida são feitas as microfraturas, que são microperfurações com profundidade ao redor de 3 a 5 mm, realizada a cada 5 mm de distancia. Estas microperfurações permitem à saída de fatores de cicatrização e formação de tecido “semelhante” a cartilagem original.
Os pacientes deverão proteger a carga no local, andando com auxilio de muletas entre 4 e 6 semanas.

- ENXERTO OSTEOCONDRAL AUTÓLOGO/ MOSAICOPLASTIA
Semelhante ao transplante capilar (cabelo), o enxerto orteocondral é a transferência de tecido ósseo com cartilagem de uma área que não sofre apoio para recobrir uma área de lesionada para lesões maiores que 1 cm². O transplante osteocondral é utilizado para cobrir leões em uma determinada região, porem a área que poderá doar é limitada. Não podendo ser utilizada para grandes lesões.

enxerto osteocondral autólogo/mosaicoplastia



- IMPLANTAÇÕES DE CÉLULAS COM CULTURA DE CONDRÓCITOS
Esta técnica foi idealizada na Suécia há 18 anos, sendo muito utilizada na Europa e; nos EUA nos últimos 10 anos e é utilizada para lesões maiores que 2 cm².

A técnica é realizada em duas etapas, a primeira etapa é realizada uma artroscopia para retirada de pequenos fragmentos de cartilagem de áreas que não comprometem a articulação. Estas células são levadas ao laboratório e por um processo de cultivo estas células se multiplicam e após período de 3 ou 4 semanas, numa segunda etapa, são reimplantadas no local da lesão em geral por via aberta.

Coleta de cartilagem para cultivo ( primeira etapa )
Coleta de cartilagem para cultivo (primeira etapa)


Implantação de células cultivadas e mutiplicadas(segunda etapa)
Implantação de células cultivadas e mutiplicadas(segunda etapa).


- ENXERTO OSTEOCONDRAL HOMÓLOGO/ ALLOGRAFT
As grandes e profundas lesões podem ser tratadas, especialmente em pacientes jovens, utilizando-se de enxerto de osso e cartilagem doados por outras pessoas. Estes fragmentos são preservados por líquidos especiais e exames rigorosos são realizados no doador, para evitar a transmissão de doenças.

Enxerto retirado de banco de tecidos / doadores com osso e cartilagem
Enxerto retirado de banco de tecidos / doadores com osso e cartilagem


 TODAS AS TÉCNICAS ACIMA NÃO SERVEM PARA PACIENTES COM ARTROSE (DESGASTE DA CARTILAGEM EM ÁREAS GRANDES E DEFORMADAS).


- PRÓTESE UNI COMPORTAMENTAL OU PRÓTESE PATELO FEMORAL
Nos casos de ( artrose )desgaste importante da cartilagem dos joelhos com diminuição do espaço na articulação, os procedimentos já citados não são uteis e a substituição de uma grande área é realizada colocando-se uma cobertura metálica cimentando-a sobre a região em que há falta de cartilagem. Pode ser na região da patela com o fêmur ou entre a tíbia e o fêmur em um dos côndilos. (Prótese parcial patelo femoral ou uni comportamental).

- PRÓTESE TOTAL (ARTROPLASTIA)
Qando a área de desgaste compromete grandes e múltiplas partes, é realizada a artroplastia total do joelho.





image
image
Fale Conosco